sábado, maio 30, 2020

BANHO 

Quando resolvi passar esse período pandemônico em Curitiba perto dos meus pais,fiquei muito abalada. Meu último banho no Rio antes de vir pra cá foi catastrófico e emocionante. Muitos que vão ler aqui esse relato vão me achar boba, mas estou numa fase que realmente estou me achando boba, então tudo bem.
 Nervosa com a decisão, muitas coisas para organizar antes de vir, a vida de 5 cachorros filhos, 1 jabuti, a casa em si, meu material de pintura, remédios, cabeça a mil, enfim ( odeio qdo escrevo 'enfim'). A água estava quentinha nos ombros e isso era bom. Olhei para o chão do box e vi uma formiga lutando contra a corrente bravamente! Eu disse sai, sai, espantando com meu pé a água perto dela...sai pra lá, eu em voz alta. Mas a formiga não entendeu...sim na hora,pensei comigo : sou muito louca, o mundo nesse 'estado' e eu pirando em salvar a vidinha do inseto. Bom, saí do box desvairada,peguei um pedaço de papel higiênico,coloquei junto dela e ela subiu!!! Ufa, salvei a pobrezinha. Aliviada, juro, aliviada sim, coloquei o papel com ela sobre a pia e voltei pra debaixo do chuveiro, tava na metade. Dei uma rezada  (ultimamente rezo muito no box), me enxuguei, pus pijamas e fui pegar o papel para colocar a formiguinha na grama e tal,...só que ela não se mexia mais, cheguei tarde, não consegui, ela morreu afogada. Lógico que estou oscilando e desequilibrada umas 2 horas durante o dia e tal, mas fiquei realmente chateada com isso...puxa era só eu ter juntado ela um pouco antes e outra vida estaria a salvo e só de escrever isso eu to chorando aqui...sim, eu choro por cada vida perdida, eu vivo tudo isso intensa e insanamente e acho que desde criança. O que vem acontecendo me machuca demais, ando pela casa aqui em Ctba ,muito bem, leio, desenho, converso com a minha irmã, recebo amor do marido, do pai, me agarro na minha mãe, faço tudo como acho que devo e quero, mas eu alma, eu coração, eu em mim, totalmente em frangalhos. Hoje era isso.  (foto da Simone KOntraluz )

terça-feira, maio 26, 2020

O RETORNO AO LAR   #qual deles

Quando a água começou a' bater na bunda', resolvi 'por minha viola no saco' e 'picar a mula', afinal 'ninguém é de ferro' e o 'bom filho a casa torna'...Poderia escrever só dessa maneira 'rios' de palavras, acontece que a insegurança de ficar longe da família na 'cidade maravilhosa' me assustou. Por lá, a cidade não é tão maravilhosa assim, a natureza sim, essa é maravilhosa e está incrivelmente agradecida mas o problema é o mesmo de todos os lugares do nosso país...,o desgoverno,o medo pelos seus,que nem são meus, muito contraditória nessa pandemia...Pandemia virou a palavra mais odiada,por mim, nos últimos tempos, também não suporto as seguintes palavras : disponibilidade, equação, vibe, balada, locão, premissa, turbulência, suave na nave, etc, não curto o tal 'etc'. E não gosto dessas palavras acima pelo seus significados, nada disso, não gosto da embocadura mesmo. Mas bom, por aqui, total liberdade de escrever o que gosto,as coisas que acredito e no português que acho interessante, com ..., com vírgulas, com aspas e por aí vai... Só passando pra dizer que vou viver pelo menos uns 3 meses em Curitiba . E quanto ao título desse singelo escrito de blogueirinha ( essa então, detesto ) acredito que o Lar ideal, é a paz interior, cheia de gente que amamos e livros. (foto recente da LUzMarina ) 

quarta-feira, abril 29, 2020

Enquanto estava sendo fotografada nessa tarde, não imaginava que hoje essa foto representaria tanto pra mim. Olhando assim é uma foto tirada sem nenhuma pretensão.Pedi para minha amiga fotografar meu trabalho DESCOBERTA e fazer alguns cliques meus junto das telas e tal...No registro, estou com um algodão limpando o 'rosto' do ser pintado,que tem a cabeça  desencaixada do corpo...Quando pintei essa obra eu estava 'buscando' coisas dentro de mim que nem eu mesma sabia, eu estava inconsciente de mim mesma e é assim que a maioria de nós vivemos...num modo automático,inconscientes, desencaixados, desconectados do todo. Olhando para essa foto agora,percebo quantos passos já foram dados por mim, quantas angústias já vivi, quantas dores, quantas conquistas, quantos 'tudo' já passei...Tenho aprendido com esses tempos,sim, difíceis sim, que às vezes é preciso, é necessário o 'desencaixe ' para conseguir o encaixe perfeito, para obter a verdade sobre o 'todo',para pensarmos diferente e só dessa maneira, enfim vivermos mais CONSCIENTES. (foto da Simone KOntraluz )

sexta-feira, março 20, 2020

" Há anos me interesso pelo auto-conhecimento.Tenho buscado isso de diversas formas, através de estudos sobre espiritualidade pelos ,considerados grandes mestres,como, Osho,Eckart Tolle, Buda, Rudolf Steiner, também pelas linhas alternativas como o Theta Healing, Oráculos, Sagrado Feminino,Bruxaria, Xamanismo e por aí vai. Me auto analisei pela visão de Freud,depois de Jung, fazia terapias, lia (e leio) livros e mais livros sobre o assunto.De repente,quando menos imaginava tive, que de sopetão, (amo essa palavra)agir no meu próprio ser tudo que tinha acumulado por anos e anos de pesquisa. Levei uma rasteira com a tão temida síndrome do pânico, aí sim Maureen, agora quero ver como tu vai fazer pra sair dessa! Mas meus queridos, a Arte Salva, juntamente com o combo : amor+cuidar de si +tratamentos + Fé.  Essa exposição DESCOBERTA representa outra 'EU', plasticamente renascida, assim como tantos, que, como eu, renasceram do caos da mente "

quinta-feira, março 12, 2020

UMA FÁBULA DE MDF.


Oi, meu nome é Clarissa , tenho 189 anos e essa é a minha vida : 

Ainda muito criancinha,acho que com 5 anos, meu pai apertava minha genitália até doer e todos riam sem graça. Ainda aos 5,eu era mordida por ele,meu lábio inferior ardia,numa espécie de brincadeira, até queimar. Dos 5 em diante foram várias dessas que não sabia bem se era amor ou ódio. Tinha histórias de terror na cama,sobre castelos e vampiros e com pijamas largos, de 4 sobre mim e com um imenso lençol, que virava vento e asas, sempre algo irreconhecível roçava minha barriga.
Amava meu pai e sentia muito medo também. Apanhei pouco, mas só pelo olhar, já chorava. Minha mãe chorava às vezes, minha mãe, minha base, meu tudo, submissa, artista, me dava colo e poucos beijos.
Na casa de barro vermelho,morava as parentes. Amava muito todas elas, a casinha de madeira que rangia o chão, o cheiro da mobília, as roupas delas,os brinquedos delas, a voz delas eu amava. O tio de olhos negros, beijava molhado meu pescoço, me arrepiava inteira...5,6,7,8,13 anos...Minha mãe não gostava de me ver de biquíni na praia perto desse tio e sempre cuidadosa do jeito dela, ou sem cuidados do jeito dela e eu de pernas abertas da ingenuidade, abertas para toda família.
Eu, Clarissa, a louca que pulava e brincava e queria ser e já era pura Arte.
Uma vez minha mãe leu meu diário e chorou quando descobriu que eu pegava carona na moto de amigos, não podia, isso não podia. Ué,mas deixar apertar a genitália podia, isso podia.
Minha mãe, meu tudo, tão submissa,sempre tentando.
Todas as amigas eram mais lindas, mais bem feitas e tal. Eu e meu irmão,éramos barrigudos e sem graça.
Aos 16 tive meu primeiro namorado, um menino muito perverso e bonito. Aos 28 anos, depois de desencontros,voltei ao calvário e me casei. Não fui amada, fui traída aos 32,ele se encantou pela ninfeta Diana, de 15 anos.
Misoginia versus pedofilia sempre fizeram parte do meu cotidiano.
(A culpa?
Acho que do diabo.
Clarissa, Clarissa, não culpe o chifrudo,ele é uma entidade,uma polaridade, não culpe ninguém.)
Aos 19 anos conheci um moço muito bonzinho, 6 anos mais maduro. Ronaldo usava drogas, mas fazia fadas lindas e me amava de verdade. E eu, amava as fadas de verdade. Aprendi a gostar ainda mais de arte, mas as drogas venceram e a amizade vive até hoje. Ahhh Ronaldo, você é grande, tão grande que talvez não caiba nesse planeta. Por você, meu carinho e quase nada de saudades.
Nessa época eu era meio punk,meio hippie ( sou assim até hj ) e dormia nas férias de verão com as primas da estrada de ferro, todas juntas em conversas delirantes e muito tesão adolescente. Já lia muito nessa época, já não era mais virgem, mas parecia. Eu tinha 19 e elas : 8,35 e 49 anos. Todas dormindo profundamente e eu tinha acabado de desligar a lâmpada de cabeceira com meu Dostoiévisk.
O tio malvado entrou na morada das virgens,ah,ah,ah ninguém mais intacta ali,enganamos todos! Baixou as calças e tocou a famosa punheta,bateu uma bronha,descabelou o palhaço,enforcou o ganso,melou a mão, sussurrando todo o tempo como as meninas estavam gostosas,bundudinhas, rabudinhas,como haviam crescido rápido as filhinhas virgens e amadas. 
( Clarissa, não, isso não acontece nas famílias aonde se comemora o Natal com perú e fios de ovos! Acontece sim. Acontece sim ).
Vi tudo com os olhos semi cerrados, ele nem me olhou, fui ignorada,muito magra, muito sem peito ainda. Saiu calmamente do quarto, fechou a porta e dormiu com os anjos. O ronco das gatinhas...ninguém acordou. Não dormi nada, meus pés dançaram a noite toda freneticamente. Nervoso e pavor. 
A misoginia versus pedofilia sempre fizeram parte do meu cotidiano.
Finalmente o sol brilhou, pulei da cama de pregos, fui na casa da proteção que não tive e contei tudo para o pai e a mãe, ambos com 18 anos.  O pai mandou a mãe passear comigo e conversar.
( Conversar Clarissa? Não teve porrada? Não teve uma cacetada bem dada na cara do demônio ? ).
Tivemos uma conversa cabocla na escadaria da igrejinha que não íamos nunca. A mãe disse que temia que um dia isso acontecesse, que ele era assim mesmo, mostrava o pinto pra todo mundo, para eu não contar nada,pois vou destruir a vida de todos, vamos esquecer tudo isso, ir embora, voltar pra casa,acabou. Imagine só se virar o jogo e vierem dizendo que você o seduziu?
( Ah,ah, ah e pegar carona de moto não pode? ).
Voltei pra casa  da proteção que não tive, vestindo um vestido branco de praia, ninguém via que eu tinha virado fumaça. Me sentia verde e podre e sangrava meu coração. Até hoje, aos 189 anos pinto corações como um modo de reconstruir o meu.
Malas prontas, do nada as férias acabaram! A desculpa??? Clarissa muito abalada ,viu espíritos noite passada, Clarissa maluca vê coisas pelas casas, Clarissa frágil e louca quer voltar para o apartamento, desgostou o mar verdinho.
( E Ronaldo? O que disse nessa época? Como agiu? )
Ah, Ronaldo usava drogas pra se acalmar e eu dava o que ele queria e tinha as fadas e a floresta!
Comecei a fazer terapia,eu precisava,coitadinha que era, traumatizada com o pinto alheio. E no futuro não teve nada de conversas,nem brigas e sim muitos Natais e feriados juntos como uma linda família unida.
Me agarrei um mim, mas sempre fui muito curta, 4,23m de altura, era pouco, muito pouco.
Escolhi ser atriz. Que luto é ser atriz, cada fim de trabalho, um enterro. O caixão? Bem grandão e sem adornos,sem nada. Um caixão de MDF mesmo. Bom, daí entrei pra Companhia de Teatro Furacão. O diretor? Tadinho,magro, um fiapo e muito cabeludo e muito,muito perverso, comigo. Admirava tudo aquilo e achava bem normal ser mal tratada. Foram 15 anos atuando sobre sua batuta e eu brilhava!
A misoginia versus pedofilia blá blá blá.
Me sentia em casa no palco e queria buscar sentir outras emoções. Então, fugi de casa e vim morar numa cidade distante, lindamente triste e cheia de ruínas de gente. Ansiava por sentir cheiros de cabos e fios e finalmente gravei uma novela, a primeirona!
Meu velho não acreditou que eu fosse capaz, ele disse para meu irmão que eu estava mentindo, que tinha dado um golpe,vendido o carro dele que tinha passado todos pra trás. Fiquei muito triste em fazer vídeos das minhas próprias gravações para provar que era verdade. 
( Por que se prestou a fazer isso Clarissa? 
Não sei, acho que por medo...
De que?
De mim ).
Deixei meu castelo em Diamantina, uma cidade muito limpa,com meu grande amigo Júlio,ele cuidava dos cachorros para mim e morava de graça na torre, afinal, era meu irmãozão. Todos os meses eu retornava a cidade clean para dar um Alô Brasil! A vida tá show de bola! Na vibe! Eu já até falava " Caraca ".Após os tais 7 anos,o irmão gordão arranjou uma mulher muito linda com a graça de Deus, mas, a linda womam me achou bobona, me achou muito alegre, alegre demais da conta, porque amizade assim, aonde o amigo mora de graça na casa dos outros por 7 anos? Isso não existe, ainda mais com Júlio?
( o que??? )
Júlio fugiu com a bela Amanda, Júlio cortou relações comigo, muito burrinha, muito bobinha ela, se doa sem receber nada em troca
( Não.
Sim. )
Júlio e Amanda felizes no Quinto dos Infernos para sempre. Meu luto durou um ano, afinal foram 30 de amizade que também tiveram que ser enterrados no tal caixão de MDF.
A misoginidsdjf versus a pedodgmnvfvnc   cotifjdng
A mãe, minha deusa grega das tintas não lembra de nada. Aliás parece que ninguém lembra de nada.
A mãe criou um tal alemão dentro da caixa torácica e tem um negócio dentro do meu peito que cresce como uma tênia saginata  a cada não lembrar da minha mãe.
Hoje, dia 12 de março de 2020, eu, Clarissa de todos os Santos,vomitei todos os meus medos e, graças a Deus, ao meu marido Neco (ele vem logo depois de Deus? Sim. ) a minha irmã Rochelle, ao meu pai, a minha mãe, aos meus verdadeiros amigos, ao Dr. Antonio Carlos, ao Dr Marcus Weber, a psiquiatra e psicóloga Vitória e a terapeuta Bel Selder, venci o Pânico, 

segunda-feira, fevereiro 10, 2020

 CONFISSÕES de ADOLESCENTE

Nessa época os sonhos eram tão maiores que tudo na minha vida. Eu tinha uns 20 anos, frequentava um Bar chamado Dolores Nervosa que depois virou Dromedário, bebia uma taça de vinho e ficava bêbada e comia muito amendoim japonês. Tomava pouca água, fazia 3 peças ao mesmo tempo e era apaixonada por tudo e todos. Sempre dei 'foras' imensos e nesse período foi meu record! Tudo pra mim era teatral, o Rio de Janeiro era algo utópico  e fazer cinema então, estava em último lugar na lista de coisas sonhadas totalmente ilusórias. Meus amigos ( os mesmos até hoje ) eram parecidos comigo, só que falavam menos,sr, a gente pirava junto, fazíamos peças com pouca ou nada de grana e éramos felizes e fazíamos festinhas em casa e todo mundo se beijava na boca,srrsrsrsr, estávamos nos conhecendo, nossos corpos, nossos horizontes nada ampliados, nossos poucos livros lidos até o fim...Era muito talento junto, uma explosão de talento e nada de chance fora da Cidade. Daí entrei para um grupo de teatro famoso na época ( ainda é? não sei ) viajei o Brasil, fui pela primeira vez para a Europa, experimentei haxixe numa torre de um Castelo, comprei uma máquina LOVE para registrar os momentos. Sim, hj estou com 20 anos. Sinto-me assim, meu corpo não mudou,perdi as bochechas e melhorei meu gosto para filmes e livros. Casei com um amigo daquela época, moro no inatingível Rio e sou atriz.  ( foto do Cyro Ridal )

segunda-feira, fevereiro 03, 2020

Dia 31 foi dia 1

Pra mim...a tempestade sombria passou depois de muito sofrimento e olhares para o teto...sim, passei quase o mês de janeiro todo sobre a cama olhando para o teto, sem conseguir ler, ou ver série ou fazer nada. A cabeça queria e sonhava, mas o corpo não obedecia, o tão sonhado ânimo não chegava. Medicada? Estava sim, com 3 remédios ( e ainda estou ) que, de alguma forma ajudaram bastante, principalmente no topo da crise. Mas, creio  eu que foi a tal medicina ortomolecular que me impulsionou para a melhora ( agora estou, digamos que 70% me reconhecendo )pois em 3 dias de medicamentos já era outra! Tiro algumas fotos e meu olhar ainda possui algum tipo de névoa, mas já tem 'eu' ali, novamente eu...Tudo isso pra dizer que to cheia de ideias e projetos e que a partir de hoje vou fazer de tudo para conquistar e realiza-los. Meio sem graça esse texto, mas é assim pessoal ,to chegando devagar mesmo. Ahhhh se alguém se identificar com os sintomas que descrevi, terei prazer em conversar sobre. ( foto Steam Punk do querido Deniz Abruzzo )

quarta-feira, janeiro 22, 2020

 DESENCAIXE TOTAL

Daí fiz meu mapa astral né, daí a moça ,que é minha comadre e virou uma puta astróloga, disse um monte de coisa que bateu, bateu muito comigo mesmo, mas numa hora lá teve um lance que ela disse, putz, esse sim..., ela falou que, na maioria das vezes,'eu não me encaixo'!!!! Não me encaixo???Logo eu??? Tão legal, tão amiga, tão lida, tão a porra toda??? Exatamente ,ela disse...assim....meio calma...Na maioria das vezes, ou você tá muito assim 'pra frente' e ao seu redor uma gente bem careta ( tipo nada a ver com vc)  ou você que tá tipo careta e nada a ver e a galera tá muito moderna e descolada e é por isso que, pra quem te conhece você é assim essa explosão de dualidade. 
Bom pessoal, nada mais a declarar, obrigada, beijo.
(foto da Simone Kontraluz)

quarta-feira, janeiro 15, 2020

Pânico, medo, correria

Pois é...chegou pra mim...aconteceu o inesperado. Sempre tive amigas que sentiram isso, ou que receberam o diagnóstico de depressão, pânico e por aí vai... Como moro no Rio, há tempos,tipo uns 3 meses, venho me sentindo exausta, com muito sono, muito aérea, mas achei que fosse do calor, do olho gordo, do tanto de energia que desperdiço, sei lá...Então eu seguia rezando, dormindo, tomando banhos de descarrego, escalda pés com sal e mais umas mandinguinhas,rs. Junto com tudo isso ,uma dor nas costelas bem chata, então eu me alongava, fazia yoga e aliviava. Dia 31 de dezembro chegou e minha virada foi tranquila, com família e amigos. Fizemos uma fogueira, fumamos um cachimbo, oramos para o Universo, tudo acontecendo e eu com aquele cansaço inacreditável, um sono absurdo, umas dores malucas pelo corpo todo. No dia seguinte a prostração tomou conta de mim por inteiro, achava quase normal, cansaço de fim de ano? Mas não bebo e fui dormir meia noite e quinze,rsrssrsrsr Como assim???? Quando vou aterrizar?  Lá pelas 17:00 h fui dar uma caminhada ( me forçando ) com o Neco (amore mio) e ele comentou que voltaria para casa dia 03 e eu dia 08. Pronto. Isso desencadeou em mim um total desespero,eu precisava gritar, nada saia da minha boca, não conseguia respirar e ideias confusas e obscuras passaram pela minha cabeça em 5 segundos. Eu e ele ficamos atônitos na calçada...voltamos pra casa, bebi água, queria me deitar,sumir dali, de tudo, não tinha sono,nem fome,nem nada me relaxava, não consegui fazer nada, nem ler, conversar, nem ar...só ideias malucas e bizarras. Bom, para encurtar  o falatório, estou sofrendo de um quadro de  Ansiedade ( é química a coisa, sem motivos e com mil motivos racionais ) que, se não cuidar, vira Pânico. Juro que não desejo para meu pior inimigo, se um dia eu tiver um...Portanto, se alguns desses sintomas que eu citei, afloram seu ser, se cuide, essa merda é a pior merda que senti na minha vida, nunca pensei passar por isso. Agora estou medicada, acredito na tecnologia e já estou muito melhor. Estranho começar 2020 assim, mas pelo menos descobri o que é e acho isso um ganho imenso. (foto da Simone Kontraluz).

segunda-feira, dezembro 02, 2019

auto-centrada assumida,rs. 

Resolvi escrever a minha retrospectiva do ano para estimular você a escrever a sua e para disfarçar meu auto centramento,rs.
Esse ano foi (e está sendo) de grandes revelações e máscaras que caem e blá blá blá. Finalizei uma Novela que não deu muito certo, não fiz nenhum show com a Banda Coletivo el Camino ( só vou escrever o que fiz ). Retiro a última informação. Fiz vários shows com a Bandinha ( eu e o Neco Yaros ) tipo uns 8 nas estações dos metrôs cariocas do projeto #palcocarioca, estreei como atriz "Hebe, estrela do Brasil "-diretor  Maurício Farias, filmei o Longa " Jesus Kid " com diretor  Aly Muritiba, virei Budista, firmei 3 amizades, que, aliás, viraram rocha, fui para Ctba 10 vezes, fui traída por um amigo e perdoei 1 vez,ia fazer uma personagem da novela 'Amor de mãe', daí caiu pra mim,fiz outro teste e passei numa super participação da mesma novela, mas sem contrato,me frustei,chorei, aprendi que 'o que é meu tá guardado', amo chavões,me consolam e tal,fiz uma exposição inteira e não fechei um lugar para expor, tbém não fui muito atrás, mudei de agente, estou ensaiando uma peça aonde escrevo o texto junto com meu amigo Joelson Medeiros, fiz 2 figurinos para teatro aqui no Rio, fiz cerca de 200 desenhos, 2 capas de livros, finalizei meu próprio livro e enviei para editoras ( nada ainda,mas tenho fé), fui para SP 2 vezes, tomei cerca de 4 banhos de cachoeira (pouco),retomei contato com vários amigos de infância, retomei esse blog, li 35 livros, assisti 5 séries, cerca de 14 filmes no cinema (pouco), cerca de 10 peças de teatro eu vi. No momento me encontro meio animada,meio não. Contando os dias para ir ficar um pouco com a família. Ahhhh tive todas as cores de cabelo que um ser humano pode ter...afff, mas ele tá vivo ainda.Esqueci, fiz a capa da revista IDEIAS !!! ( foto da Simone Kontraluz )

terça-feira, novembro 19, 2019

O pior ignorante é o ignorante político

Escutei essa frase de um professor meu na faculdade de Artes Cênicas, na primeira semana de aula. Juro,fiquei com cara de bunda total, pois me encaixei na época. Há duas semanas um amigo de longa data do meu pai foi tomar café em casa e quando percebi estavam conversando sobre o atual presidente. Respirei fundo para não expulsar o senhor em questão, afinal seria um desrespeito com meu pai inclusive, que tbém tenho minhas ressalvas . Começou, o senhor, falar de Mariele, e quando ele falava eu tremia, a respiração profunda foi para o beleléu. Só me vinha na cabeça a frase dita do professor, até que chegou uma hora,explodi médio e disse : "O pior ignorante é o ignorante político", desde que o senhor chegou aqui em casa só diz bobagens burguesas e sem o menor fundamento, realmente não tomarei esse café com alguém que pensa assim ...ai que alívio, me levantei e saí..os dois com suas bocas abertas, me achando muito louca,srsrsrsr eu louca???? Meu pai meio assustado, o senhor disse : Mas assim a gente vai brigar minha querida!  Não, não meu senhor, a gente não vai brigar, não sou disso,obrigada pelo convite. O senhor vai se levantar e vai caminhar até a casa do meu pai, logo aqui do lado e lá o senhor diga o que pensa, mas aqui, na minha casa, eu que mando e não vou brigar nem contigo,nem com ninguém. O que esse senhor ainda não entendeu????? O que esse cidadão quer??? Arruinar tudo??? Engasgo agora, eu choro por dentro e por fora. Só tenho uma palavra a dizer : CHEGA.   

quinta-feira, novembro 14, 2019

FEMINISTA, sim sim, pero no mucho.

Acho justo e admiro muito todo o movimento feminista, confesso que gostaria de ser mais engajada e tal, mas me falta estudo no assunto. Estudo? Sim, preciso estudar algo para que eu possa me colocar a par de tudo que acredito, para poder me colocar de forma minimamente sã. Bom,ontem foi dia de compras de livros, minha média são 3 ao mês e um deles foi " Papel de Parede Amarelo " de Charlotte Perkins Gilman (1820) . Comecei ontem,acabei ontem e entendi tantas coisas,pqp. Uma delas são detalhes que eu já achava bobagens e agora então,foram grifados como bobagens sobre o assunto. Gente,como podemos exigir igualdade aos homens se somos diferentes? Nem melhores, nem piores, porém diferentes!!! NÃOOOOOOOOO, não estou falando de salário, de direitos iguais perante a sociedade,empresas,etc. Tudo isso é tão bizarro que vou pular para ir direto ao ponto, mas antes vou discordar de mim mesma e falar sobre pêlos ou virar lésbica. PÊLOS : deixe -os em paz, isso não é marca de feminismo e sim de gosto,quer deixar o sovaco cabeludo? deixe, tudo bem se vc curtir!!!! VIRAR LÉSBICA : ninguém vira lésbica, se vc é mulher e se apaixona por outra mulher, tudo bem tbém, rótulos me irritam. Pronto, voltando ao ponto : Esse livro explode na cara do leitor ele instiga em nós aquilo que temos de mais lindo e delicado, o amor próprio, nossa loucurinha, nossas fraquezas e sobre tudo nossa coragem de não sucumbir ao padrão linear da existência. ISSO pra mim é ser FEMINISTA, portanto, sou .  (foto do Deniz Abruzzo com produção do Victor Sálvaro )

quinta-feira, novembro 07, 2019

Mas me diz aonde é esse tal "LÁ"


Cresci com muita gente me dizendo que eu ia chegar ,ou que talvez eu conseguisse chegar ,ou alguém me gorando e me dizendo que assim eu não vou chegar.  Em nome de todos os Santos meu amigo, aonde? 
Sabe pessoal, ando tão cansada,rs, sim sim, de mim também, lógico que me canso de ser eu mesma,de não chegar a nenhum lugar, não é a toa que escrevi uma peça chamada " Algum Lugar Nenhum ", affff será o famoso ?  Até escrevi com L maiúsculo, para ficar mais longe ainda...o pior é que desconfio que o tal lugar seja alguma emissora, ai ai ai essa doeu. Quando eu disse que não cheguei a lugar nenhum, acho que exagerei, chego a lugares todos os dias, tanto físicos, quanto emocionais, aliás creio eu que sou bem complexa e tal, nem sei se infe ou feliz-mente,rs. Mas voltando ao famoso LÁ ( cada vez maior ), dói um pouco esse lugar, vem cheio de expectativas , um treco inalcançável , idealizado, fracassado, com sucesso, com ar, com bosta, cheiroso, com grana, vazio, cagado, rico e sem nada.  O tal LÁ a gente que inventa e quer saber o que acho? Acho que não importa ...porque como seres humanos extremamente insatisfeitos que somos, sim sim, somos sim, o tal lugar nem existe...é esse limbo cor  azul clara ou sem cor nenhuma, esse LÁ é o fim. LÁ igual a MORTE.  ( foto de Paulo Watanabe )

terça-feira, novembro 05, 2019

Sobre Morte em vida,perdas e ganhos.

Quando a gente se decepciona com amigos que não foram tão amigos assim, quando nos decepcionamos num modo geral com pessoas que nos rodeiam e tal,temos que 'matar' esses indivíduos,nem que seja por um tempo, para que, assim, possamos nos recarregar,pensar,processar todo o mal que nos fizeram (sempre com a nossa devida parcela de consentimento,óbvio). Todos nós já vivenciamos essas situações extremamente chatas e doloridas e seguimos em frente,porque o mundo gira e tudo muda e blá blá blá. Mas quando alguém muito importante na tua vida,alguém que você ama profundamente que nem sabe como por em palavras, vai indo embora,mas continua ali,viva,do teu lado,com faíscas do que era,...com vislumbres do que um dia foi? Como proceder sem pegar nos braços dessa pessoa e sacudir e gritar : Voltaaaaaaaaaaaaaa,por tudo que é mais sagrado, voltaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa,por mim e por você,volta.  Mas mesmo que fizesse isso nada aconteceria... Como proceder sobre essa questão? Sobre essa morte em vida? Como lidar com essa fase maluca, que também faz parte da vida? Já li todos os livros sobre perda de memória,sobre essa maldita doença..já vi todos os filmes, já fiz e faço orações,tenho fé,creio em tudo,já fiz simpatias, já chorei, me desesperei,lamentei,ri alto,gritei baixo,mordi o travesseiro e meu próprio braço e tudo só desce ladeira abaixo como uma avalanche de solidão,porque perder a mãe em vida é assim, muito solitário. Mas quero dizer,para me auto consolar, que mesmo nessa situação, é só ela me dar um sorriso que me acalenta a alma, é só ela estar ali e eu pensar que já valeu por tudo que vivemos e sentimos uma pela outra...e choro agora,porque sou terrivelmente forte, quisera eu ser um pouco mais fraca e me entregar ao edredon,e deprimir só um pouquinho, mas não farei isso,porque a vida ainda está ali de alguma forma e tudo isso me ensina tanto ,mas tanto e até agradeço o aprendizado e por incrível que pareça a minha Fé só cresce. Minha mãe,uma mulher tão amorosa,um exemplo de afeto, criou em torno de si essa anestesia,para que, assim conseguisse viver em seu mundo,que com absoluta certeza é multi cor. (foto de deniz abruzzo)